Reserva de emergência: a importância de ter a sua durante a pandemia

Apenas 17% dos brasileiros têm reserva para se manterem por 3 meses

É provável que se há algum tempo alguém falasse de reserva de emergência, pouquíssimas pessoas pensariam que era necessária uma para enfrentar uma pandemia em que todos fossem obrigados a ficar em casa. O fato é que agora que o planeta vive essa realidade, a reserva virou indispensável.

O novo coronavírus mudou completamente o modo de viver da sociedade. E, infelizmente, as notícias econômicas não são animadoras. O distanciamento social, única medida eficiente para controlar a proliferação do vírus, parou o comércio, as fábricas, os escritórios. Boa parte da população sofreu os impactos de alguma forma, seja na perda do emprego ou na redução de carga horária e salário. 

Neste cenário, mesmo com a ajuda emergencial do governo, era importante que cada um, sem exceção, tivesse uma reserva. Uma pesquisa do Datafolha realizada em março revelou o quanto o brasileiro não estava preparado para encarar uma adversidade como essa.

De acordo com o levantamento, 69% dos entrevistados foram afetados economicamente pela pandemia, tendo seus rendimentos diminuídos. Dos entrevistados, apenas 17% afirmou que conseguiriam se manter durante três meses, 19% conseguiriam durante dois meses, 20% durante um mês, 9% por menos de um mês, 11% se manteriam menos de 15 dias e 24% não souberam responder.

Os especialistas recomendam que a reserva de emergência seja o suficiente para as pessoas viverem confortavelmente durante pelo menos seis meses. E claro, ela é criada de acordo com a realidade de cada um. A pessoa que mora sozinha tem uma reserva diferente da que mantém uma família, por exemplo. 

Em geral, o cálculo da reserva pode ser bem simples. Se você tem rendimento mensal de R$ 3 mil, contando todas as fontes de renda, você deve multiplicar esse valor por seis (meses), sendo assim, você precisaria ter R$ 18 mil guardados.

Mas lembre-se que dinheiro nunca deve ficar parado, neste caso, você pode aplicar sua reserva em algum investimento de baixo risco e alta liquidez, ou seja, que você possa resgatá-lo a qualquer momento. Neste caso, existem os CDBs e o Tesouro Direto, ambos famosos por serem seguros e simples de aplicar.

Agora, diante da Covid-19, fica mais difícil criar uma reserva de emergência, muito pelo contrário, é o momento de contar com uma. Contudo, como toda fase ruim, essa também vai passar e deixará a lição do quanto é importante guardar dinheiro. 

Assim que as coisas estiverem mais estabilizadas, organize-se para criar a sua reserva. O primeiro passo é entender as suas despesas para que, de alguma forma, você consiga economizar e guardar uma porcentagem mensal. Uma boa forma de fazer isso é estabelecendo prioridades.

Tags: finanças reservadeemergencia

Veja mais